Terça-feira, 16 de Agosto de 2005

DO SUL – 4

Armona 052.JPG

Um Cais quer-se de chegada e de partida. Sobretudo quando é portão de uma Ilha. Porque a água é um limite que se quer romper. Quem se quer sujeitar a sentir as escamas a crescerem-lhe no pensamento? Uma dose forte de salmoura chega e até dá para as sobras nas mínguas do resto do ano.

Um Cais sabe bem e deseja-se de vontade forte. Para abrigar e depois conseguir sair-lhe dos braços a ameaçarem tornarem-se tenazes de fuga ao mundo. Estamos feitos se desconseguimos fugir ao feitiço da Ilha. É por isso que um Cais sabe sempre bem.

Imagem: Ilha da Armona, Ria Formosa, Agosto 2005
publicado por João Tunes às 10:07
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Agosto de 2005

DO SUL – 3

Armona 099.JPG

A Ria não permite tudo mas ajeita-se a muito consentir. Desde, é claro, que não a arreliem com teimosia demasiada.

A Ria é de raça mansa. Foi dessa massa da natureza que foi parida. Ou consentida? Até permite que um homem, com aspecto de perdido na calma das águas, trate da vida a caminhar-lhe catando bivaldes.

Imagem – Ria Formosa, Agosto 2005
publicado por João Tunes às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

DO SUL – 2

Armona 108.JPG

Maré baixa. Tanto que os pequenos batéis são obrigados a dormirem a sesta em chão duro de areia molhada. Ali, ao lado do sinal da veia a céu aberto a drenar passagem da água mais distraída obrigando-a seguir o caminho da fatalidade de se juntar ás águas suas irmãs.

Maré baixa. Sem razão para nervo nem escândalo. A maré alta não tarda aí. Fosse a vida assim e tudo que é ou finge ser psiquiatra ia para o desemprego.

Imagem – Ilha da Armona, Ria Formosa, Agosto 2005.
publicado por João Tunes às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Agosto de 2005

DO SUL – 1

Armona 088.JPG

Amontoado atamancado de casarios espalhados e depois acumulados na invasão da areia. Porque onde mija um português, logo vão mijar dois ou três.

Somos muito assim – gostamos de parir casas como os maníacos das proles parem filhos. Plantar uma casa (e depois de plantar a primeira, plantar a segunda e por aí fora) é aspiração cara a muitos portugueses. Onde calhar, estiver á mão e quando quem ordena sofra de distração crónica ou aguda. E em que é que a areia é menos que o sol? Pois, e o sol, desde que nasce, não espalha o signo da igualdade mais igualitária? Ocupam-se pois o máximo de palmos de areia a construir castelos privativos de lazer em que quase se possa adormecer com o mar a aconchegar os pés. Alguns destes espertos na patifaria urbanística e na devassa do ambiente até não gozam dos privilégios castelares, usam-na antes para meter cobres na conta, pondo a render a construção atamancada na areia privatizada, alugando-a aos orfãos de sol e mar. Depois, bem depois, que venham os legalizadores-urbanizadores remediar o remediável fazendo vista grossa ao irremediável. Somos muito assim.

No amontoado de casarios acumulados, há quem goste de dar um toque de gosto ou de dignidade. Por exemplo, dar a pose aristocrática de uma nobre aldraba à porta inventada em que tinta e ferrugem fazem luta de teimas.

Imagem: Ilha da Armona, Ria Formosa, Agosto 2005.
publicado por João Tunes às 00:30
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 13 de Agosto de 2005

DOIS ANOS

Armona 155.jpg

Dois anos a blogar - tempo muito, tempo demasiado. E a ferrugem na casa das máquinas é tanta que as pás da hélice da vontade nem mexem como resposta ao desafio da força das marés. Não sei se o vício será mais forte que a vontade de parar para reparações ou venda como sucata. Dito de outra forma, vamos ver se desconsigo. De qualquer modo, nada como naufragar encostado a um porto, mesmo que de desabrigo. A terra sempre está a um passo da liberdade da fartura de água.

Na imagem, navio encalhado junto do porto de Olhão, Agosto 2005.
publicado por João Tunes às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds