Quinta-feira, 1 de Setembro de 2005

LÁGRIMAS COMO CALCANHAR

1963[1].JPG

Menos um livro em falta na literatura em défice sobre a guerra colonial. Prefiro dizer assim que dizer “mais um livro sobre...”. Porque (falando só do lado português) é incompreensível que uma guerra em três frentes que durou treze anos e mobilizou centenas de milhares e deixou marcas tão fundas, tenha inspirado tão poucas ressonâncias literárias.

O livro (romance) de que trato hoje (*) foi uma agradável surpresa no meio das minhas leituras de Verão. JMS tem uma escrita leve, depurada e impressiva. A realidade e o absurdo da guerra na Guiné está admiravelmente traduzida na transmissão dramática da violência transformadora que a guerra faz nos homens e os homens fazem na guerra. Por outro lado, um interesse maior, a figura do protagonista foge aos extremos da tipificação – nem é o militar patriótico-colonialista-assassino nem o militante anticolonial a curtir raivas da contradição por estar ali no lado errado. Não que não tenham existido magotes de um e outro tipo a fazerem a guerra colonial, mas porque a grande maioria dos militares fardados que andaram pela guerra em África eram os que estavam numa espécie de “meio caminho”. O personagem principal escolhido por JMS (supondo-se que autobiográfico) é um desses – os que aprenderam na guerra o absurdo da guerra e a estupidez particular e insolúvel daquela guerra.

Infelizmente, o que se devia ter sido um livro autobiográfico de crónicas e de memórias (e a parte em que se pode ler assim é excepcionalmente talentosa) subiu até a ambição de ser Romance. E aí, nessa passagem, JMS espalhou-se ao comprido. O enredo sentimental é desastrosamente desconseguido, os rodriguinhos andam á solta, o reencontro do antigo militar com o antigo protegido da tropa colonial agora apparetchick do PAIGC é um desconsolo pela inutilidade perdida na trama.

Resumindo, um livro mais que recomendável. Direi que aconselhável como leitura urgente num panorama editorial em que parece que três terríveis guerras não rasgaram o Ser e o Estar de um povo abandonado porque se abandonou à longa tirania de um teimoso sem escrúpulos, insensível ao sangue e até ser capaz de empurrar um povo para a ravina do absurdo.


(*) - “As Lágrimas de Aquiles” de José Manuel Saraiva, com prefácio de Manuel Alegre – Editora Oficina do Livro
publicado por João Tunes às 15:31
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De fatoumata binetousene a 6 de Março de 2009 às 15:12
sou investigadora quero mais informaçoes sobre a guerra colonial


De João Tunes a 6 de Março de 2009 às 22:07


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds