Domingo, 21 de Agosto de 2005

PAMPILHOSA DA SERRA

Fogo 015.JPG

Um nosso leitor, Rui Silva, enviou-nos este mail que merece transcrição:

”Às terras da Pampilhosa da Serra ligam-me os laços de família, das recordações dos seus verdes a perder de vista, das suas gentes simples e boas talhadas à imagem da rudeza das pedras.
Onde sobrevivem tendo tudo, no quase nada que a sociedade “próspera do litoral" lhes proporciona.
Onde o comboio não chegou, onde quase lhe quiseram tirar a “carreira”, onde ninguém passa para dar notícia que existem.
Hoje, contudo, é Verão, lembraram-me as imagens, muitas, dos meios de comunicação social.
Porque no Verão a Pampilhosa da Serra existe, enche os noticiários, preenche a nossa revolta esquecida desde o último Verão.
Agora aguardemos o próximo Verão, esquecendo que ela existe no Outono, no Inverno e na Primavera.
Para nosso descanso de dever cumprido, para que os que lá habitam possam, em silêncio, lamber as feridas e, para que nada se faça para que, no próximo Verão, tornemos a ouvir falar da Pampilhosa da Serra.
Até lá, nós, os donos de quase tudo, esqueceremos que os meios são (ou não são) suficientes, se se deve ou não declarar a calamidade, se se limparam ou não as matas, se se abriram ou não os asseiros, se as florestas estão ou não ordenadas.
Discutiremos, calados, o que vamos dizer que deveríamos ter feito, quando as chamas irromperem no próximo Verão.
Rui Silva”


E eu recomento:

- Entendo e partilho os sentimentos que perpassam nas palavras do Rui Silva. E agradeço-lhe. Sem deixar de assinalar (manias estéticas...) o fio da boa prosa com que teceu a sua elegia de desconsolo.

- Digo que não é verdade que os que amam a Pampilhosa da Serra (e falo como achadiço) só dela se lembrem no Verão. Em Abril deste ano, muitos lá estiveram a espremerem e gritarem soluções e saídas que evitassem o não retorno, pensando nos que lá vivem e que são quem a pode salvar. Podem ter sido inúteis os gritos e as propostas, mas gritou-se com direito, pelo menos, à dignidade quixotesca, o que é o mais que podem fazer os cidadãos fora da sertã do poder. Agora, resta ter força para não desistir. O que exige muito mas seria uma nova tragédia se as cinzas fossem amanhadas com o baixar de braços.

- Para além do choro pelo irremediável, raivas cansadas, confio que o Rui Silva se vai juntar aos que não recusam um braço de ajuda àquilo que se gosta com a responsabilidade do gostar.

Nota: Este post é, não podia deixar de ser, uma “negação” de escrito recente. Mas a vida é assim – arriba acima, arriba abaixo, arriba acima... E nada melhor que um “desanimado” para nos espevitar a recuperação da vontade de não desistir. Também por isso, obrigado Rui Silva.

Imagem: Evacuados de Sobral Valado, Pampilhosa da Serra, Agosto 2005.
publicado por João Tunes às 16:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds