Segunda-feira, 4 de Julho de 2005

E LISBOA AQUI TÃO PERTO

Tejo.jpg

Ser, de estar, na outra margem, também é isto – descobrir assim Lisboa. Apanhar a luz, espreitar o rio, readivinhar a forma como a cidade se encosta ao sofá de água, através de tranças feitas de ferro. Como se de vista de uma prisão, ou para uma prisão, se tratasse? Não, porque a cidade nos está ali tão perto. Bonita. Única. Lisboa. A cidade com a luz mais livre do mundo. Pese embora o jeito para a clausura de tanta, demais, da sua gente. Como se perdurassem as celas que Salazar nos pendurou nas almas como herança escrita em mesinha de amanuense de sacristia para poupar nos gastos de secretaria.

(foto tirada numa viagem de comboio para a travessia do Tejo e com destino a Entrecampos)
publicado por João Tunes às 15:56
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Patriica a 6 de Julho de 2005 às 18:38
olha o meu comboio :)


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds