Quarta-feira, 22 de Junho de 2005

REGRESSANDO À ALDEIA

Imagens antigas 245.jpg

Li e parei. Quero, compadre, que saibas que li e que parei. Parei nos gestos e no tempo. Fiz-me silêncio também. E olhei para longe, para nada, enquanto o consegui.

Depois reli. E vi a dor feita escrita. A mesma escrita seca, poupada e cristalina de sempre. Lá está a tua escrita. Essa filigrana embalada em dignidade de chaparro. A mesma escrita, isso mesmo. Mais triste mas a mesma. E senti os laços que agarram, nos agarram uns aos outros, sobretudo aos que mais se querem tentando que ainda sobrem baraços para os que mais merecem. E que, tu sabes, nem sempre coincidem. E percebi o orgulho na tua tristeza – amares quem mais mereceu. Não é para todos. Para ti foi. Gostei de saber e senti-me melhor. Apesar do irremediável.

Um abraço, compadre.
publicado por João Tunes às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds