Sexta-feira, 3 de Junho de 2005

O MEDO NO NÃO

r1534509065[1].jpg

Em mais uma das suas crónicas no Público com que reforçamos a ideia que o suicídio é a única via para a sobrevivência dos portugueses e dos europeus, VPV refere as virtudes americanas (exemplificando no campo do sucesso na educação e na incorporação tecnológica) e termina: “Contra isto, a França, a Holanda e a “velha Europa” têm o seu “modelo social”. Até não terem nada.” Como se os caminhos que forjam povos e nações pudessem ser invertidos.

A idolatria neo-liberal tem destas coisas. E uma daquelas em que mais abusa a inventar dicotomias é entre o “social” e o “mercado” (quando o problema, nesta área, em vez de primado, resulta da diferença entre a competência e a incompetência em as conjugar).

A América nasceu selvagem, individualista e feita por imigrantes. E continuam a ser imigrantes os que renovam hoje a onda capitalista selvagem americana, agora falando castelhano com sotaques latino-americanos. Como são eles, os imigrantes mais recentemente chegados da América Latina, quem garante as vitórias de Bush. E tornam a América mais americana. Porque um imigrante recém-chegado aos EUA, a fazer pela vida, é logo americano dos pés à cabeça (em França, na Alemanha, na Holanda, é assim?).

A Europa teima em não querer adoptar a selvajaria mas confundindo-se sobre onde ela está. Sobretudo, a Europa, ao contrário da América, tem medo dos imigrantes. Primeiro, esse medo europeu dos imigrantes pintou-se de fascistóide e xenófobo, hoje uma parte (em crescimento) da direita democrática e da esquerda democrática (ou não) vai atrás das primeiras fatias eleitorais que se deslocaram da esquerda para a direita (melhor, para a extrema-direita) fixadas nesse medo. Um medo que cresceu a assobiar-se para o lado como se fosse uma fantasia de mau gosto. E a história, mal amanhada, da Turquia foi a gota de água a transbordar o copo da irresponsabilidade na lide com os medos.
publicado por João Tunes às 12:25
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De mfc a 3 de Junho de 2005 às 12:57
O meu não , não é sobreponível à xenofobia da extrema direita, tem a ver com o processo deliberativo que se quer introduzir.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. NO RIO DA TOLERÂNCIA

. LEMBRANDO MARIA LAMAS, MA...

. SOLDADO FUI, OFICIAL TAMB...

. UMA VELHA PAIXÃO PELO “DL...

. LIBERDADE PARA FERRER GAR...

. VIVA A REPÚBLICA !

. FINALMENTE, A HOMENAGEM (...

. COM OS PALANCAS NEGRAS

. POR CESÁRIO VERDE
(esq...

.arquivos

. Setembro 2007

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds